Adeus Vovô Walthão

Ontem nos despedimos do vovô Walthão.

Dr Walther Gravena, meu sogro e avô do Theo e da Melissa.

O vovô Walthão lutou muito, mas no dia 09.02.12 descansou.

Foi uma despedida bonita, com todas as pessoas (familiares, muitos amigos, médicos, enfermeiras, empregados e pacientes) contando histórias, lembranças e causos desse homem que marcou a vida de muita gente e posso dizer que salvou a vida de muita gente.

Um pai incrível e amoroso, que fazia tudo por seus filhos, um marido que esteve sempre ao lado da esposa, um sogro sensacional e muito carinhoso, um dos melhores médicos de Piracicaba (se não o melhor), sempre dedicado e amoroso com seus pacientes e com seus familiares, um chefe humano e bem humorado.

O bom humor era a principal característica dele, talvez por isso ontem foi tão tranqüilo. As pessoas lembravam dele com alegria e nunca com tristeza.

Fico muito feliz por meus filhos, que puderam aproveitar o vovozão, mesmo que por pouco tempo.

Decidimos não levar o Theo e Melissa conosco, preferi deixa-los em casa na rotina normal, afinal vovô Walthão já está morando em uma grande nuvem no céu.

Eles sabiam que o vovô estava “dodói” e hoje sabem que ele está no céu morando numa linda e grande nuvem. A imagem que quero que eles tenham, é do vovô rindo, brincando, gritando quando entrava na piscina e sentadão na poltrona dele assistindo jornal.

Não conheci meu avô paterno, perdi minha avó materna muito cedo e lembro que senti muita falta, até hoje me lembro do gosto do leite com chocolate quente dela…nunca mais tomei igual. O meu avô materno, perdi durante a adolescência, estava de férias e minha mãe só contou quando eu voltei, não consegui me despedir. A minha avó paterna viveu bastante e convivi muito com ela, infelizmente ela teve mal de alzheimer e se perdeu no tempo, viveu mais no passado do que no presente, mas o importante é que tenho lindas lembranças da infância com ela, uma mulher linda e festeira.

Os avós fazem falta. O amor deles é diferente, eles deixam o neto fazer o que não deixavam o filho fazer…rs. Esse mimo e esse carinho, acredito eu, é essencial para uma infância feliz.

Agora o vovô Zé, a vovó Rê e a vovó Joana vão precisar mimar um pouco mais.

Adeus vovô Walthão! E obrigada por ter sido tão especial em nossas vidas.

Amamos você!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em O pai

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s